O Modernismo Brasileiro vem sendo revisitado de maneira intensa na última década. Várias têm sido as trilhas desse “repensar”, que tem sido muito atravessado pelos desejos sociais de compreender melhor não apenas o passado mas sobretudo a escrita que sobre o passado foi realizada, estabelecendo uma História que, em todos os campos vem sendo redimensionada. Assim, a hegemonia paulista vem sendo questionada e uma série de pesquisas busca retraçar “os modernismos” que convergiram para a famosa semana de fevereiro de 1922. Também no que diz respeito às individualidades, há anseios traduzidos em pesquisas, livros e produções artísticas que buscam questionar a presença/ausência de um número maior de mulheres, de intelectuais negros, de indígenas. Essas “vozes” começam a ser buscadas e sua “escuta” ainda está em seus inícios mais existe e precisa ser considerada para o projeto de um Clube de Leitura que vai enveredar pela História da Semana de Arte Moderna de 1922. Neste mês com a leitura do livro “Os Bruzundangas“, de Lima Barreto, (organização de Beatriz Rezende). São Paulo: Carambaia, 2017. Sinopse Nos dicionários, “bruzundanga” significa algaravia, barafunda, coisa de pouca serventia, ninharia. É com essa confusão que Lima Barreto nomeia um país fictício, a República dos Estados Unidos da Bruzundanga, cujas crônicas publicou de janeiro a maio de 1917 no semanário A.B.C., depois reuniu em livro, lançado apenas em 1923, após sua morte. Bruzundanga é “uma grande bagunça que, no entanto, se dá ares de importante, povoada por doutores, políticos e literatos”, como descreve Beatriz Resende no posfácio. Os relatos sobre essa República que muito se assemelha ao Brasil – de ontem e de hoje –, assumem, na obra, o tom de paródia da história oficial, de seus herois e instituições. Esse humor representa, de acordo com Resende, uma nova forma literária utilizada por Lima Barreto para abordar o Brasil, depois dos contos, romances e crônicas. Para a organizadora do volume, dar a Os bruzundangas a forma merecida de clássico da literatura significa “romper com a exclusão a que tanto o texto quanto o autor foram submetidos no correr da constituição da história literária brasileira”. Susana Ventura é Doutora em Letras pela USP, trabalha para o SESC SP desde 2007 em projetos de literatura, fez curadorias para o Museu da Língua Portuguesa, Casa das Rosas, entre outros. Conduziu reuniões dos clubes de Leitura do SESC Carmo, SESC Vila Mariana, SESC Consolação entre 2009 e 2019. Ministrou o curso “Lendo Mia Couto” no SESC Santo Amaro em 2020. Tem 40 livros publicados na área de literatura e teve seu trabalho reconhecido pelos Prêmios Jabuti e Glória Pondé da Biblioteca Nacional.