A proposta da pintura nasce através das obras “Visão da Laje, Sou Nuvem e Varal” do artista visual e grafiteiro Jardélio Santos Alves. O mural de 81,60m² ilustrará diversas narrativas periféricas, apresentando na sua composição resistências diárias do cotidiano do artista. Em contraste com as paisagens vivenciadas no território, Jardélio também terá como referência obras de pintores da Semana de Arte Moderna de 1922. A criação do mural no Sesc Campo Limpo é um convite para reflexão e observação de novas narrativas pictóricas, possibilitando novas leituras e releituras visuais.